terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Torre da Cadeia

[pst 289] A D. Pedro Afonso, filho de D. Afonso Henriques, é atribuído o povoamento de Figueiró dos Vinhos e a entrega da primeira Carta de Foral, no ano 1204. Há vagas notícias de uma destruição posterior, causada, talvez, por uma invasão almóada. Foi de novo repovoado pelo rei D. Sancho I.

Torre da Cadeia — Figueiró dos Vinhos. 2 de maio de 1996

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Castelo de Arouce

[pst 288] No castelo de Arouce — situado nos meandros serpenteantes do rio Arouce, que cava um profundo vale a baixo do ponto mais elevado da serra da Lousã —, impressionam as dimensões reduzidas do castelo e das pequenas capelas que lhe estão próximas por oposição à montanha. O sítio, invisível da planície próxima, evoca um passado de grande insegurança. O legendário rei Arouce, habitante deste lugar num tempo lendário, aí teria deixado um grande tesouro.

Castelo de Arouce. Lousã. 25 de junho de 1996

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Comunicar tempo

[arquivo cidade 012] As exposições recriam espaços vividos, são interpretações do mundo, do tempo, são arquitetura desmaterializada, são propostas de reflexão, de diálogo sobre a representação possível do espaço-tempo. São as paragens breves num caminhar ininterrupto, janelas sobre a mutação e a passagem do tempo.
Linha método. Exposição Arquivo como cidade. Golegã. 2016

Linha tempo. Exposição Arquivo como cidade. Golegã. 2016

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Convento de São Cristóvão de Lafões

[pst 287] O convento de S. Cristóvão de Lafões foi construído, na cumeeira de um promontório formado pelo rio Varoso, pouco antes de encontrar o Vouga. A sua fundação remonta ao século XII, por um grupo de ermitas que depois se filiaram na Ordem de Cister. Com o decorrer dos tempos sofreu diversas remodelações, sendo o século XVIII aquele que maior marca deixou no seu aspeto atual.

Convento de São Cristóvão de Lafões. São Pedro do Sul.  3 de junho de 1996

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Campo aberto

[arquivo cidade 011] Do centro das maiores cidades até ao alto das montanhas, o terreno é o coração deste labor e desta vivência. O conhecimento da terra será também o conhecimento de nós próprios, seja numa dimensão individual, seja numa esfera coletiva, do saber quem somos como espécie biológica moldada pela cultura.
Gerês. 1991

domingo, 27 de novembro de 2016

Avô

[pst 286] O rio Alva é dos mais importantes afluentes do Mondego. Nasce na vertente ocidental da serra da Estrela e, na profunda garganta que acompanha o pé da serra, banha a aldeia de Avô que borda as duas margens do rio, com o seu casario apertado encosta acima. Teve Foral outorgado por D. Sancho I, em 1187, e confirmado por D. Manuel, em 1514. No centro da aldeia havia um castelo que foi reconstruido várias vezes, mas com a perda da função defensiva do lugar acabaria por ser em parte desmantelado e as suas cantarias regulares empregues, certamente, noutros edifícios.

Avô. Oliveira do Hospital. 15 de março de 1996

sábado, 26 de novembro de 2016

Bibliografia liberdade

[arquivo cidade 010] Não é, aqui, neste trabalho, perseguido um objetivo definido, ou fixo, ou excessivamente especializado. Os livros transportam-nos para territórios desconcertantes através do conhecimento que veiculam. São espaços para a liberdade que nos é revelada nos mais desconexos temas a que podemos ter acesso.
Viseu. 2016